Um ladrão rouba um tesouro, mas não furta a inteligência. Uma crise destrói uma herança, mas não uma profissão. Não importa se você não tem dinheiro, você é uma pessoa rica, pois possui o maior de todos os capitais: a sua inteligência. Invista nela. Estude! (Algusto Cury)



quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Reflexão

"Muito obrigado meu aluno problema" 


Sua letra não é legível, seu caderno não tem capricho, a capa está arrancada, o dever, incompleto, as “orelhas” se multiplicam.
Seus lápis quando existem, nunca estão apontados. Você se distrai com o ruído de uma mosca. É o ultimo a responder as ordens, o primeiro a liderar o barulho. Se você levanta a mão, reluto em lhe dar a palavra – só vem besteira- você já chega amarfanhado de casa, com a cara suja de vestígio de lágrimas – você brigou na rua, ou foram os tapas de seu pai que já perdeu a paciência há muito tempo?
As avaliações, são um pesadelo para você. E o resultado.... Ah! Meu Deus, como eu gostaria de não ser professora, desistir de tudo para não enfrentar os seus olhos....onde a cada dia morre a esperança.
Eu já tentei de tudo com você – bons modos, maus modos, gritos, chantagens, exigi, insisti, gritei, implorei....você continua não respondendo a minha didática elaborada, a minha experiência de tantos anos.
Por você, me tornei insegura. Analisei os conteúdos, constatei a validade de alguns, aprofundei, condenei, revi meus critérios de avaliação.
Por você, fiquei humilde. Achei pouco os meus recursos. Pedi ajuda. Comparei meus instrumentos de aprendizagem. Discutir com os colegas. Fui ao supervisor, ao orientador.
Por você, eu estudei, Fui buscar conhecimento que me faltavam, achei tempo para uma pesquisa mais elaborada das causas de seus problemas.
Por você, eu criei. Não me limitei ao existente. Criei novas formas de abordagem do conteúdo, novas estratégias, novas motivações, nova distribuição do tempo.
Por você, procurei conhecer uma criança “normal”. Como ela pensa? Como ela age? O que ela tem que você não tem? Que sobra em você? O que lhe falta?
Por você, revi meus conceitos de fracasso, de sucesso, de felicidade, de normalidade.
Por você, me aceitei fracassada, limitada, deficiente, incapaz de faze-lo aprender. Eu passei a ser um problema também. E na minha angústia, eu entendi muito bem como você se sente. Ai então, MUDOU VOCÊ, OU MUDEI EU?


Fonte: Elyanne Brasil 



quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Secretaria de Educação muda início do ano letivo para 28 de janeiro

Comunicado.


Foto: Internet

A Secretaria de Estado da Educação comunica a mudança do início do Ano Letivo para o dia 28 deste mês. Tal mudança decorre da grande procura de matrículas nas últimas 48 horas, o que exige maior tempo para efetivação da matrícula na escola. Um novo Calendário Escolar será disponibilizado nos próximos dias.


Fonte: Portal da Educação




Portugal e o Mar

A última viagem do descobrimento.


A esquina da América do Sul é um ponto estratégico importante desde tempos imemoriais, e testemunhou um movimento intenso de navegadores forasteiros bem antes da data ‘oficial’ do ‘descobrimento’ do Brasil, por Cabral, há quase 514 anos. As aspas simples sinalizam dúvida, controvérsia, afinal a História documentada e ensinada nas escolas do país seguem diretrizes eurocêntricas, e não faltam teses contestando essa ‘verdade’ imposta. Se na primeira metade do século 20 Natal serviu como ponto de apoio para a expansão da aviação civil mundial e ainda como base Aliada durante a 2ª Guerra Mundial, nos séculos 15 e 16 o litoral do RN era parada obrigatória para quem desbrava o Atlântico e procurava uma rota alternativa para as Índias.

Foto: Vlademir Alexandre

Esse movimento de naus e caravelas na costa potiguar serviu como ponto de partida para o pesquisador e historiador Lenine Pinto elaborar o novo livro “Herança de Netuno”. Defensor da tese de que o Brasil foi ‘descoberto’ na região de Touros, Lenine trabalha desde 2007 nesta obra que reforça o papel do litoral do Rio Grande do Norte na conquista do Novo Mundo pelos navegadores que desbravam o Atlântico à mando das coroas portuguesa e espanhola. 

No livro, ainda sem data para lançamento pois a pesquisa ainda não foi concluída, o historiador esmiuça a cronologia das grandes navegações e traz argumentos fundamentados em documentação consultada em arquivos dos Estados Unidos, Portugal, Inglaterra e Itália que podem alterar o entendimento do período. Ele adianta que já passou de 150 páginas e diz que a edição poderá sair com apoio das prefeituras de Touros, São Miguel do Gostoso e Pedra Grande, município envolvidos na polêmica tese levantada nos livros “Reinvenção do Descobrimento” (1998) e “Ainda a questão do descobrimento” (2000).

Obsessão pelo tema? Talvez. Lenine tem explicações na ponta língua para cada passagem histórica mal explicada. Evidências, se cruzadas todas as informações, não faltam. 

De acordo com ele, os historiadores “sabem da dificuldade” de recompor a História das navegações devido o sigilo com que as descobertas eram tratadas. “Os portugueses tinham uma política de sigilo tão rígida, que os próprios segredos de Estado eram segredo. Então há muito a ser dito, descoberto e corrigido. O certo é que o que aconteceu de verdade não é o que está escrito nos livros escolares”.

Aos 84 anos, Lenine Pinto diz que esse pode ser seu último livro devido a saúde: “Se conseguir, depois desse termino um outro já iniciado sobre a atividade naval dos ingleses durante a 1ª Guerra Mundial”, revelou durante entrevista concedida em seu flat, um quarto e sala repleto de mapas e estantes com livros de história. Fumante, ele consegue algum alívio do enfisema pulmonar com auxílio de pastilhas Valda.

Brechas históricas
Autor de diversos livros sobre a 2ª Guerra Mundial, a presença norte-americana em Natal e o papel da capital potiguar durante o conflito, exemplo do fundamental “Natal, USA” (1995), livro onde o autor traz “muita coisa séria, diferente dos (livros) anteriores sobre o assunto que trazem muita mentira”, em “Herança de Netuno” Lenine Pinto cruza informações de livros consultados no exterior com mapas e documentos raros, e informações amealhadas ao longo do tempo. 

Nesse roteiro histórico, ambientado nos séculos 15 e 16, entram personagens como os reis Dom Afonso V, o infante Dom Henrique e Dom João II; o cartógrafo italiano Andréa Bianco, que determinou a distância exata entre Dakar na África e o Brasil (leia-se RN); os navegadores Bartolomeu Dias, Vasco da Gama, Pedro Álvares Cabral, Gil Eanes (provavelmente o primeiro a desembarcar em terras papa-jerimum na década de 1430), Diogo Cão e Cristóvão Colombo.

“Por que em 1470 o rei Dom Afonso V, de Portugal, baixa uma lei proibindo a exploração de pau-brasil na Guiné, se naquele país africano não tinha esse tipo de árvore? E por que a expedição de Vasco da Gama em 1497, que levou 4 meses para ir de Lisboa até a África, só foi atingida pelo escorbuto depois de cruzar o Cabo da Boa Esperança já no Oceano Índico?”, questiona o pesquisador potiguar.

São essas e outras questões que abrem brechas na História ‘oficial’ que Lenine quer explicar e detalhar no livro “Herança de Netuno”. Ele mesmo aproveita para responder as interrogações: “A lei de Dom Afonso V comprova que os portugueses já circulavam pelo litoral do Brasil na época e o rei queria garantir o monopólio”, sentencia. A resposta da segunda pergunta sobre Vasco da Gama é ainda mais curta: “Ora, ele passou antes pelo litoral brasileiro, provavelmente aqui pelo RN, onde reabasteceu a frota”.

Outros livros do autor
O escritor e pesquisador se dedicou a pesquisas sobre a aviação e as navegações

“Natal/USA” : Relatos sobre a participação do Rio Grande do Norte como base aérea americana na II Guerra Mundial/1995.
“Reinvenção do descobrimento” (1998/RN/Econômico): Primeiro livro do autor sobre o tema.
“Ainda a questão do descobrimento” (2000): Evidências náuticas e fontes documentais que apontam a área de Cabo de São Roque-RN como provável ancoradouro de Pedro Álvares Cabral. 
“A Coleção João Gonçalves” (Sebo Vermelho/2002).
“O reino das bestas feras”: uma introdução à história da Alemanha nazista : a 2. Guerra Mundial através da biografia / Lenine Pinto. (2007)
“A integração do Rio Grande do Norte e do Amazonas à província do Brasil”: Lenine Pinto & Gerardo Pereira. 

Fonte: Tribuna do Norte

Prefeitura de Natal abre seleção para contratação temporária de professores

Inscrições podem ser feitas de 17 a 27 de janeiro; taxa é de R$ 50. Seleção será por análise curricular; resultado sai dia 29 de janeiro.

Foto: Internet

A Secretaria Municipal de Educação de Natal (SME) lançou edital para contratação temporária de professor e educador infantil. O edital foi publicado no Diário Oficial do Município desta quinta-feira (16).  O número de candidatos convocados dependerá da necessidade da SME e a seleção será feita por análise curricular. As inscrições podem ser feitas de 17 a 27 de janeiro e a taxa é no valor de R$ 50 para todos os cargos. Os salários variam de R$ 1.334,52 a R$ 1.639,34.

De acordo com o edital, o processo destina-se a selecionar candidatos para contratação temporária de professores para a rede municipal de ensino, especificamente para o exercício de docência como educador infantil nos Centros Municipais de Educação Infantil, professor intérprete de libras e professor de Libras nas unidades de ensino da rede municipal de ensino, professor de língua portuguesa nas escolas de ensino fundamental e professor dos anos iniciais do ensino fundamental.

As inscrições devem ser feitas primeiramente no site da Prefeitura de Natal. Após o pagamento do boleto, o candidato deve se dirigir à sala da Comissão Permanente de Concurso Público no prédio da SME e apresentar uma foto 3 X 4; comprovante de pagamento da inscrição; diploma de acordo com a área; original e cópia de CPF e RG; comprovação de quitação com serviço militar, se do gênero masculino; e comprovação de votação na última eleição.

Todas as informações sobre pré-requisitos estão disponíveis no edital. O resultado da seleção será divulgado no dia 29 de janeiro.

Fonte: G1 RN





segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

Sisu nas primeiras doze horas

Sisu recebe mais de 607 mil inscrições em doze horas.


Foto: Internet

Com as inscrições abertas na madrugada hoje (6), o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) registrou 607.210 inscritos até as 12h30 do horário de Brasília. A inscrição é feita exclusivamente pela internet e vai até o dia 10. Na primeira edição deste ano, o Sisu oferece 171.401 vagas em 4.723 cursos de 115 instituições públicas de educação superior.

Pode concorrer às vagas do Sisu quem fez o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2013 e não tirou nota 0 na redação. Para se inscrever, o estudante precisa do número de inscrição e da senha no Enem. Quem estiver sem esses dois números pode recuperá-los no site do exame.


O resultado da primeira chamada do Sisu será divulgado no dia 13 de janeiro e o da segunda, no dia 27. O prazo para a matrícula de quem foi selecionado na primeira chamada vai de 17 a 21 de janeiro e a matrícula da segunda chamada de 31 de janeiro a 4 de fevereiro.

Ao se inscrever no Sisu, o participante pode escolher até duas opções de curso, por ordem de preferência. O candidato que não for selecionado em nenhuma das duas opções de curso nas chamadas regulares ou for selecionado somente para a segunda opção poderá aderir à lista de espera entre os dias 27 de janeiro e 7 de fevereiro. A convocação pelas instituições dos candidatos em lista de espera vai ocorrer a partir do dia 11 de fevereiro.

Fonte: Tribuna do Norte

Inscrições abertas

Estudantes já podem se inscrever no Sisu.


Foto: Internet

Os estudantes que querem concorrer a uma vaga de ensino superior em instituições públicas podem se inscrever a partir de hoje (6) no Sistema de Seleção Unificada (Sisu). A inscrição é feita exclusivamente pela internet e vai até o dia 10. Pode se inscrever no Sisu quem fez o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2013 e não tirou nota zero na redação.

O estudante vai precisar do número de inscrição e da senha no Enem. Quem estiver sem esses dois números pode recuperá-los no site do exame. O estudante concorre às vagas disponíveis no Sisu com as notas no Enem, mas não é preciso tê-las em mãos no momento da inscrição. Quando o candidato insere no site o número de inscrição e a senha, o Sisu recupera, automaticamente, as notas obtidas no exame.

Ao se inscrever no Sisu, o participante pode escolher até duas opções de curso, por ordem de preferência.  É possível mudar essas opções durante todo o período de inscrição. O candidato também precisa definir se deseja concorrer às vagas de ampla concorrência, às vagas reservadas à lei federal de cotas ou às vagas destinadas às demais políticas afirmativas das instituições. Pela lei federal de cotas, as instituições devem reservar pelo menos 25% das vagas do Sisu para alunos que fizeram todo o ensino médio em escolas públicas.

Algumas instituições adotam notas mínimas para inscrição em determinados cursos. Se a nota do candidato não for suficiente para concorrer àquele curso, o sistema emitirá uma mensagem com essa informação.

Uma vez por dia, o Sisu calcula a nota de corte para cada curso com base no número de vagas disponíveis e no total dos candidatos inscritos naquele curso, por modalidade de concorrência.  A  nota de corte é a menor para ficar entre os potencialmente selecionados. Ela é apenas uma referência para auxiliar o candidato a monitorar sua inscrição e não é garantia de seleção para a vaga ofertada.

Durante o período de inscrição, o candidato pode consultar a classificação parcial na opção de curso escolhido em seu boletim na página do Sisu. Essa classificação é apenas uma referência e pode ser vista pelo estudante durante o período em que o sistema estiver aberto para as inscrições.

Ao final do período de inscrição, é divulgada a lista de selecionados e o boletim de acompanhamento irá trazer a classificação e o resultado final. O candidato que não for selecionado em nenhuma das duas opções de curso nas chamadas regulares e aquele selecionado na segunda opção poderá aderir posteriormente à lista de espera. O resultado da primeira chamada será divulgado no dia 13 de janeiro e o da segunda, no dia 27.

Fonte: Tribuna do Norte e Agência Brasil


domingo, 5 de janeiro de 2014

O Dia D com poucos estudantes

Poucos estudantes foram ao Dia D do cadastramento.


Para dar celeridade ao procedimento de matricula para o ano letivo de 2014, a Seec promoveu ontem o Dia D de cadastramento de CPF. No entanto, foi pequeno o comparecimento dos estudantes para o procedimento, especialmente na região de Natal. Apesar da pequena quantidade, a Secretaria de Estado de Educação (Seec) está otimista quanto ao resultado final desde processo.

No total, 170 mil estudantes já solicitaram a matrícula, realizada com o documento de CPF, obrigatoriamente. No ano anterior, a Seec tem registro de 280 mil matrículas. “A previsão é que vamos manter esse número, que só será consolidado com as matrículas do Ensino de Jovens e Adultos”, relata Eduardo Colli, coordenador das diretorias regionais de educação.
 
No sábado pela manhã, cadeiras vazias e apenas dois cadastros
Foto: Junior Santos
 
Na Escola Estadual Edgar Barbosa, por volta das 9h30 da manhã, havia sido registrado apenas sete novos CPF’s. Duas técnicas estavam na escola a disposição dos alunos da região sul. “O movimento está bem pequeno hoje, já esperávamos por isso. Parece que na zona norte a frequência está maior”, relatou Leni Gomes, técnica da Seec. No Centro Estadual de Educação Profissional Senador Jessé Pinto Freire (Cenep) a situação estava semelhante. Eram 10h15 e somente dois novos cadastros haviam sido realizados.

 “A procura em Natal está pequena, a maior parte do movimento está concentrada nas escolas de Macaíba, São Gonçalo do Amarante e Extremoz”, informa Colli. Em Natal, nove escolas estavam disponíveis como pólos de atendimento, sendo quatro apenas na Zona Norte. Além da capital, os alunos podem procurar as Diretorias Regionais de Educação [Direds] em Parnamirim, Nova Cruz, São Paulo do Potengi, Ceará-Mirim, Macau, Santa Cruz, Currais Novos, Caicó, Assu, Mossoró, Apodi, Umarizal, Pau dos Ferros e João Câmara. As equipes foram treinadas pela Secretaria da Justiça e Cidadania [Sejuc] para fazer o CPF.  A Seec não tem uma estimativa de quantos estudantes precisam fazer o cadastro de pessoa física.
 
Técnicos aguardam estudantes no Centro Estadual de Educação Jessé Pinto Freire
Foto: Junior Santos
Para fazer o documento, o interessado leva certidão de nascimento e comprovante de  residência. O rápido procedimento dura cerca de um minuto e o CPF é expedido na hora, sem custo para o estudante. O atendimento  iniciou às  8h e seguiu até às 15h. Na segunda-feira próxima, o estudante ainda pode fazer o documento na própria Secretaria, ou numa Central do Cidadão.
A justificativa da exigência do CPF é evitar a duplicidade de  matrículas. Nesse ano, toda a rede estadual está utilizando o Sistema Integrado de Gestão da Educação – SIGEduc, que de maneira informatizada e virtual realiza o cadastramento e seleção de escolas e turmas. Com a inscrição num único sistema para toda a rede, se dificulta a inscrição de um estudante em mais de uma escola.

As renovações de matrículas e transferências de estudantes da rede municipal para a estadual estão sendo realizadas desde o dia 28 de novembro, abertas até o dia 18 de dezembro. A Seec manterá o período para o procedimento aberto até sexta-feira próxima, dia 10 de janeiro. No dia 13 de janeiro, segunda-feira, será divulgado o resultado do processamento das matrículas e aberta a inscrição para as vagas remanescentes.

Como dificuldade em completar a totalidade das matrículas necessárias, Colli destaca o fato de algumas escolas ainda estarem fechando as notas, o morosidade para o comparecimento dos alunos EJA, a cultura de deixar para fazer a renovação ao início das aulas e a migração dos estudantes para a rede federal de ensino com o grande volume de abertura de Institutos Federais no RN.
 
Fonte: Tribuna do Norte

sábado, 4 de janeiro de 2014

MEC: Enem 2013

MEC divulga notas do Enem 2013.


Foto: Internet


Os candidatos do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2013 já podem consultar o resultado do exame. O Ministério da Educação (MEC) divulgou no fim da noite dessa sexta-feira (3) as notas na internet. Para consultar o resultado, o estudante deve usar a senha do Enem e o número de inscrição ou o CPF. Quem perdeu a senha pode recuperá-la no próprio site. No ano passado, cerca de 5 milhões de estudantes fizeram o Enem.

Aqueles que têm dúvida sobre o gabarito, podem consultá-lo aqui. No entanto, é preciso lembrar que no Enem, a correção é feita usando a metodologia da Teoria de Resposta ao Item (TRI), em que o valor de cada questão varia conforme o percentual de acertos e erros dos estudantes naquele item. Assim, um item em que grande número dos candidatos acertaram será considerado fácil e, por essa razão, valerá menos pontos. Já o estudante que acertar uma questão com alto índice de erros ganhará mais pontos por aquele item. Dessa forma, não é possível calcular a nota final apenas contabilizando o número de erros e acertos em cada uma das provas.

Para ajudar a entender o cálculo da nota, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) disponibilizou uma ferramenta no site, onde é possível verificar, de acordo com a pontuação, as competências dominadas e as que se tem dificuldade.

Os candidatos ainda não têm acesso ao espelho da redação, onde serão disponibilizadas as notas individuais em cada uma das cinco competências exigidas no texto. O Inep ainda não tem previsão de data para a divulgação do espelho da redação. No ano passado, ele foi divulgado um mês após a nota da prova. A divulgação é apenas para fins pedagógicos. Nem a nota divulgada nesta sexta-feira, nem a correção da redação cabem recurso.

A nota do Enem pode ser usada para a participação em programas como o Sistema de Seleção de Unificada (Sisu) que seleciona estudantes para vagas no ensino superior público; o Programa Universidade para Todos (ProUni), que oferece bolsas em instituições privadas; e o Sistema de Seleção Unificada do Ensino Técnico e Profissional (Sisutec), que seleciona estudantes para vagas gratuitas em cursos técnicos. Além disso é pré-requisito para firmar contratos pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) e para a obtenção de bolsas de intercâmbio pelo Programa Ciência sem Fronteiras.

As vagas são ofertadas por meio de editais. O primeiro, do Sisu, já teve o cronograma divulgado. Na segunda-feira (6) serão abertas as inscrições, que vão até as 23 horas e 59 minutos do dia 10 de janeiro, no horário de Brasília. O resultado da primeira chamada será divulgado no dia 13 de janeiro e o da segunda, no dia 27. No site do programa estão disponíveis as vagas ofertadas.

Durante todo o dia, os candidatos usaram o botão F5 - do teclado do computador - para atualizar a página do Enem na internet, já que o ministério informou que o resultado estaria disponível a partir desta sexta-feira, mas sem especificar o horário.

Nas redes sociais, os estudantes chegaram a brincar com a espera da divulgação do resultado. Um usuário do Twitter disse: "É hoje que o botão F5 quebra de tanto atualizar o site do Inep". Outro respondeu: "já quebrou". No microblog, o termo Enem está entre os dez tópicos mais publicados no Brasil. Uma usuária postou: "As notas do Enem ainda não foram divulgadas porque Deus está operando um milagre na minha". Outro disse: "Essa nota do Enem poderia sair logo! Isso tá virando tortura".


Confira as notas do Enem aqui.
 
Fonte: Tribuna  do Norte
 
 

MEC: Formação para professores

MEC garante formação para professor do ensino médio.


Foto: Júnior Santos


O Ministério da Educação  agiliza formalização com a Secretaria Estadual de Educação e instituições públicas de ensino superior o Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio. Com o pacto, o ministério vai oferecer, neste ano letivo, formação continuada a 495,6 mil professores do ensino médio que trabalham em 20 mil escolas públicas no país todo. A expectativa é ter a adesão das 27 unidades da Federação, de 40 universidades e institutos federais. Agora em janeiro, todos os estados serão procurados para adesão ao Pacto.

A realização do Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio pelo governo federal é uma iniciativa de larga escala – atender quase 500 mil professores do ensino médio – que depende da adesão das secretarias estaduais de educação e de instituições públicas de ensino superior. A meta é oferecer formação de 200 horas por ano a esses educadores e também aos coordenadores pedagógicos das escolas.

De acordo com o secretário de educação básica do MEC, Romeu Caputo, o pacto é uma ação que está fortemente ligada à Lei do Piso Salarial dos Professores (Lei n° 11.738/2008), que destina um terço da jornada de trabalho do educador para sua capacitação e aperfeiçoamento. O Ministério da Educação, diz Caputo, oferece uma bolsa mensal aos educadores que aderirem ao pacto para que eles utilizem essas horas para estudar de forma individual e coletiva no espaço da escola.

O secretário de educação básica explica que os conteúdos, desenvolvidos por 15 universidades federais, devem ser inseridos nos tablets que foram enviados pelo MEC para as 26 secretarias de educação dos estados e ao Distrito Federal. Os conteúdos se dividem em duas partes: a primeira, que corresponde ao primeiro semestre de 2014, trata da formação comum a todos os professores, organizada em seis núcleos: sujeitos do ensino médio, ensino médio, currículo, organização e gestão do trabalho pedagógico, avaliação e áreas de conhecimento, integração curricular. No segundo semestre, serão abordados conteúdos das áreas do conhecimento: ciências humanas, ciências da natureza, linguagens e matemática.

Outro ganho esperado com a realização do Pacto diz respeito às universidades. “É uma oportunidade das universidades públicas de encontrar os egressos formados em seus cursos de licenciatura e pedagogia e avaliar o desempenho deles nas escolas onde lecionam”, explica Romeu Caputo.

Bolsas
Todos os educadores – das instituições de ensino superior, das secretarias de educação e os professores cursistas – que fazem parte do pacto receberão bolsas mensais durante todo o período de formação. As bolsas, que serão pagas pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), se dividem em sete tipos, conforme as atribuições dos educadores: R$ 2 mil para o coordenador-geral da instituição de ensino superior; R$ 1,4 mil para o coordenador-adjunto da instituição de ensino superior; R$ 1,2 mil para o supervisor; R$ 1,1 mil para o formador da instituição de ensino superior; R$ 1,1 mil para o professor formador regional do pacto nos estados e Distrito Federal; R$ 765 para o orientador de estudo; R$ 200 para o professor cursista e para o coordenador pedagógico.

Tarefas
Cabe à instituição de ensino superior que aderir ao pacto diversas atribuições, entre as quais, selecionar o coordenador geral, que deve ser professor efetivo da instituição, com experiência na área de formação continuada de profissionais da educação básica e possuir título de mestre ou doutor; o coordenador adjunto, que deve ser professor efetivo, ter experiência na área de formação de educadores do ensino básico, ser mestre ou doutor; professor formador, pertencente ao quadro da instituição, possuir experiência na educação básica, ser graduado em pedagogia ou licenciatura, possuir mestrado ou doutorado ou estar cursando pós-graduação em educação.
 
Fonte: Tribuna do Norte

 

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Senac oferece vagas

Senac do RN oferece 382 vagas em cursos de capacitação profissional: As vagas são para Natal, Mossoró, Macaíba e Assú. Inscrições devem ser feitas até a próxima terça-feira (7). 

 

Foto: Internet

O Senac do Rio Grande do Norte está com inscrições abertas para o Programa de Gratuidade. São 382 vagas em cursos de capacitação nas áreas de informática, gestão e negócios, beleza e gastronomia. As vagas são para Natal, Mossoró, Macaíba e Assú. As inscrições devem ser feitas exclusivamentes pela no site do Programa até a próxima terça-feira (7).

De acordo com a política do Programa Senac de Gratuidade (PSG), obrigatoriamente, os candidatos devem possuir renda familiar mensal per capita de até dois salários mínimos federais e atender aos requisitos exigidos pelo curso escolhido, que variam de acordo com a modalidade.

Os candidatos são selecionados de acordo com a ordem da inscrição efetuada no site do Senac. Os contemplados são convocados para apresentação dos documentos comprobatórios de renda e requisitos do curso pelo qual optou.
 
Fonte: G1 RN

UFRN recebe inscrições para SiSU a partir desta segunda-feira

Inscrições seguem até o dia 10 de janeiro, exclusivamente pela Internet. UFRN ofertará um total de 4.309 vagas, em 88 cursos.

 
Foto: Internet
 
A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) receberá inscrições para o Sistema de Seleção Unificada (SiSU) do Ministério da Educação (MEC) a partir desta segunda-feira (6) até 10 de janeiro. A UFRN ofertará um total de 4.309 vagas, em 88 cursos de diversas áreas do conhecimento, nos campi de Natal, Currais Novos, Macaíba, Caicó e Santa Cruz. Em todo país, o SiSU vai oferecer 171.756 vagas em 115 instituições de ensino superior.
 
As inscrições devem ser efetuadas, exclusivamente no site do Sisu, onde o candidato poderá escolher até duas opções de vaga, especificando a ordem de preferência, o local de oferta, o curso e o turno. Somente os estudantes que participaram do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2013 e que obtiveram nota acima de zero na prova de redação poderão se inscrever no processo seletivo do SiSU referente à primeira edição de 2014.
 
O resultado da primeira chamada está previsto para acontecer no dia 13 de janeiro e a matrícula nos dias 17, 20 e 21 de janeiro. Já a segunda chamada será no dia 27 de janeiro e o cadastramento em 31 de janeiro, 3 e 4 de fevereiro. A terceira chamada ocorrerá em 13 de fevereiro e as matrículas em 18, 19 e 20 do mesmo mês.
 
Como o período entre o resultado e a matrícula é curto, o pró-reitor de Graduação da UFRN, Adelardo Adelino Dantas de Medeiros, aconselha que os estudantes providenciem os documentos necessários antes da primeira chamada. “É importante que os candidatos consultem no edital os documentos necessários para a matrícula logo agora, para evitar contratempo”, explica.
 
O edital do SiSU 2014 está disponível link www.sisu.ufrn.br.
 
Fonte: G1 RN
 



 
 

A memória

Um trato na memória.

 

Eduardo Alexandre Garcia
Foto: Elisa Elsie

A desmemoriada Natal, do alto de seus 414 anos e 9 dias, terá cinco motivos para reencontrar parte de seu passado ao longo de 2014: está em curso, sob coordenação do Centro de Documentação Cultural Eloy de Souza, pesquisa e organização dos acervos de Dix-Sept Rosado, Newton Navarro, Sylvio Pedroza, Café Filho e Geraldo Edson de Andrade. O ano também começou de fôlego renovado no CEDOC com a chegada do jornalista, poeta e artista plástico Eduardo Alexandre “Dunga” Garcia. Nomeado no Diário Oficial do Estado na edição de 31 de dezembro, Eduardo assumiu a subcoordenadoria de acervo da instituição no lugar do historiador José Evangilmarison Lopes Leite, com a missão de dar continuidade aos trabalhos que vinham sendo desenvolvidos.

Dunga, que já esteve à frente do CEDOC entre agosto de 2006 e janeiro de 2007 e atualmente pesquisa por conta própria imagens antigas de Natal, explicou que o Centro de Documentação deixou de ter um coordenador único nesta atual gestão da Fundação José Augusto para funcionar com sobcoordenadorias – de acervo, de patrimônio, museus e Pinacoteca. Vale lembrar que, nos anos 1980, Eduardo Alexandre agitava o circuito cultural com sua Galeria do Povo, inicialmente montada na Praia dos Artistas.

“Neste momento temos várias frentes de trabalho, como a remoção da exposição permanente que estava no Forte dos Reis Magos e a atualização do inventário das obras de arte do Governo do RN”, informa. Eduardo disse que o trabalho em torno do acervo do ex-governador Dix-Sept Rosado (1911-1951) é o mais adiantado, e que “logo” o material será transformado em livro. “Está nos ajustes finais, na fase de editoração, antes de seguir para impressão”.

O acervo de Newton Navarro (1928-1992), personalidade que em 2013 mereceu lançamento de biografia, reedição do primeiro livro “O solitário vento do Verão” (1961), um livro de poemas e crônicas inéditas e outro com entrevistas de contemporâneos, está em processo de organização. “Um professor da UFRN está envolvido nessa pesquisa e nosso objetivo é publicar os resultados ainda este ano”, planeja.

Outros acervos que serão transformados em publicação são de Sylvio Pedroza (1918-1998), ex-prefeito de Natal e ex-governador do RN, que, inclusive, assumiu o comando do Estado após a morte de Dix-Sept Rosado; do ex-presidente Café Filho (1899-1970); e do escritor e crítico de arte natalense Geraldo Edson de Andrade (1932-2013), potiguar que construiu carreira no Rio de Janeiro. O acervo de Café Filho está sendo organizado por José Evangilmarison, professor do curso de História da UnP e antecessor de Dunga no CEDOC.

“São cinco personalidades da política e da cultura importantes para a história recente do RN, deixaram muitas fotos, documentos e cartas. Vamos digitalizar esse acervo e, além do livro, será tudo disponibilizado na internet”, disse Eduardo Alexandre, cuja missão à frente da subcoordenadoria de acervo do Centro de Documentação é, justamente, acompanhar os trabalhos. “O material doado por Geraldo Edson Andrade veio do Rio de Janeiro e já está sendo catalogado”, destacou.

Dunga informou que o artista plástico Vatenor está envolvido na atualização do inventário das obras de arte, e que o material da exposição permanente do Forte dos Reis Magos será transferido para o primeiro andar do Memorial Câmara Cascudo. “Ainda não temos previsão quanto à conclusão desses dois projetos”.

Curso de memória

Sobre a pesquisa de fotografias antigas de Natal, Eduardo Alexandre Garcia diz que prefere não misturar coisas pessoais com profissionais: “Sei que tenho a possibilidade de organizar uma exposição, de sugerir a publicação de um livro, mas não é elegante utilizar o Governo para dar andamento a projetos particulares. Claro que se houver um convite oficial da professora Isaura Rosado (da SecultRN/FJA) não vou me furtar a montar um exposição ou qualquer que seja a proposta”, garantiu. Ele diz que o acervo de imagens antigas “é importante para a cidade” e como já vem compartilhando nas redes sociais de forma voluntária será “um prazer tocar esse projeto”.

“Meu desejo é, na verdade, ministrar um curso sobre Natal a partir desses fotos antigas. Acredito que seria muito útil para quem vai trabalhar na Copa do Mundo, por exemplo. É um projeto particular, mas nada impede de ser realizado com apoio da FJA”, revelou.

ACERVOS
Jerônimo Dix-Sept Rosado Maia (1911-1951)
Nasceu em Mossoró. Foi prefeito da maior cidade do Oeste potiguar e governador do Rio Grande do Norte. Morreu num desastre aéreo em Sergipe, antes de completar um ano de seu mandato como governador.

Newton Navarro Bilro (1928-1992)
Entrou para a história como artista plástico. Mas o natalense também era poeta, escritor, ator e professor. Imortal da Academia Norte-Riograndense de Letras, Navarro foi gênio-boêmio incompreendido por alguns e admirado por muitos.

Sylvio Pizza Pedroza (1918-1998)
Foi prefeito de Natal entre 1946 e 1951, e governador do RN de 1951 a 1956. Seu trabalho à frente do Município se caracterizou pelo investimento na orla: foi durante sua gestão que a Av. do Contorno (atual Av. Café Filho) nas Praias do Meio e do Forte.

João Fernandes Campos Café Filho (1899-1970)
Foi o primeiro e único potiguar – até o momento - a chegar à presidência do Brasil. Era vice na chapa de Getúlio Vargas, e assumiu o cargo após o suicídio do estadista gaúcho em 1954. Permaneceu na presidência até ser deposto em 1955.

Geraldo Edson de Andrade (1932-2013)
Escritor e crítico de arte, o natalense mudou-se para o Rio de Janeiro no início da década de 1950. Na capital carioca foi professor no curso de Artes da UERJ, diretor-adjunto do setor de Artes Plásticas da Funarte, assessor do Museu de Arte Moderna do Rio e diretor do Museu de Arte e História do RJ.
 
Fonte: Tribuna do Norte

Cadastro de CPF para alunos

Sábado é o Dia D de cadastramento do CPF de alunos do Estado.


Foto: Portal

A Secretaria de Estado da Educação promove neste sábado (4), das 8h às 15h, o DIA D de cadastramento do CPF para os estudantes que já estudam nas escolas estaduais e precisam renovar sua matrícula. Em todo o Estado, os interessados devem procurar as Diretorias Regionais de Educação – DIREDS, que estarão preparadas para emitir o documento na hora. Um minuto é o tempo médio que se leva para emissão do CPF, desde que o interessado esteja com a certidão de nascimento e o comprovante de residência em mãos.

São dezesseis diretorias regionais instaladas nos municípios de Natal, Parnamirim, Nova Cruz, São Paulo do Potengi, Ceará-Mirim, Macau, Santa Cruz, Currais Novos, Caicó, Assú, Mossoró, Apodi, Umarizal, Pau dos Ferros e João Câmara. Suas equipes foram treinadas pela Secretaria de Estado da Justiça e Cidadania, numa parceria com a Secretaria da Educação.

Para os estudantes da capital e região, a 1ª DIRED organizou 12 polos de atendimento. Eles estarão funcionando nas escolas estaduais Edgar Barbosa (Zona Sul), CENEP e Monsenhor Alfredo Pegado (Zona Leste), Raimundo Soares e Matias Moreira (Zona Oeste), Antônio Fagundes, Crisan Simineia, Peregrino Junior e Leonor Lima (Zona Norte), Almirante Tamandaré (Extremoz), Doutor Otaviano (São Gonçalo do Amarante) e Doutor Severiano (Macaíba).

Segundo a secretária de Estado da Educação, professora Betânia Ramalho, o objetivo do mutirão é permitir o acesso ao documento para todos os alunos que pertencem a rede e ainda não tiveram sua matrícula renovada. “O documento é indispensável para a renovação da matrícula, por isso o nosso esforço para que nenhum estudante permaneça sem o Cadastro da Pessoa Física”, reforçou.

As escolas estaduais tem até o dia 10 de janeiro para concluir a renovação dos estudantes que já são da rede e ainda não tem o CPF. A renovação é feita pela própria equipe da escola, através do www.sigeduc.rn.gov.br. O estudante veterano apenas precisa se dirigir à secretaria da escola, com o número do CPF, para dizer que pretende permanecer na unidade ou deseja ser transferido para outra escola da rede.

Os alunos que estão sendo transferidos dos municípios para as escolas estaduais também podem comparecem aos pontos de cadastramento para retirar o seu CPF.



PONTOS DE CADASTRAMENTO EM NATAL E REGIÃO:
 
E.E. Edgar Barbosa – Lagoa Nova, Zona Sul
 
CENEP – Petrópolis, Zona Leste

E.E. Monsenhor Alfredo Pegado – Mãe Luiza, Zona Leste
 
E.E. Raimundo Soares - Cidade da Esperança, Zona Oeste
 
E.E. Matias Moreira – Dix-Sept Rosado, Zona Oeste
 
E.E. Antônio Fagundes – Santarém, Zona Norte
 
E.E. Crisan Simineia – Lagoa Azul, Zona Norte
 
E.E. Peregrino Junior – Potengi, Zona Norte
 
E.E. Leonor Lima – Redinha, Zona Norte
 
E.E. Almirante Tamandaré - Extremoz
 
E.E. Doutor Otaviano - São Gonçalo do Amarante
 
Fonte: Portal da Educação

MEC: Divulgação de vagas

MEC divulga vagas e instituições no Sisu.

 

Foto: Internet
 
Brasília (ABr) – O Ministério da Educação divulgou a lista com as instituições que participam do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) do primeiro semestre de 2014, além dos respectivos cursos e número de vagas de ensino superior ofertadas. As inscrições para o Sisu começam no dia 6 de janeiro e serão encerradas no dia 10 de janeiro.

No Rio Grande do Norte, participam do Sisu o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN), a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e a Universidade Federal Rural do semiárido (UFERSA).

Podem participar os estudantes que fizeram o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2013 e que não tenham zerado a redação.

O resultado da primeira chamada do Sisu será divulgado no dia 13 de janeiro e da segunda chamada, no dia 27. As inscrições são feitas exclusivamente pela internet no endereço eletrônico http://sisu.mec.gov.br.

O Sisu é um sistema informatizado desenvolvido pelo MEC onde instituições públicas de ensino superior oferecem vagas para candidatos participantes do Enem.
 
Fonte: Portal da Educação 

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

José Pacheco e a Escola da Ponte

O educador português conta como é a Escola da Ponte, em que não há turmas, e diz que quem quer inovar deve ter mais interrogações que certezas.

 
Foto: Internet
 
José Pacheco não é o primeiro - e nem será o último - a desejar uma escola que fuja do modelo tradicional. Ao contrário de muitos, no entanto, o educador português pode se orgulhar por ter transformado seu sonho em realidade. Há 28 anos ele coordena a Escola da Ponte. Apesar de fazer parte da rede pública portuguesa, a escola de ensino básico, localizada a 30 quilômetros da cidade do Porto, em nada se parece com as demais.
 
A Ponte não segue um sistema baseado em seriação ou ciclos e seus professores não são responsáveis por uma disciplina ou por uma turma específicas. As crianças e os adolescentes que lá estudam - muitos deles violentos, transferidos de outras instituições - definem quais são suas áreas de interesse e desenvolvem projetos de pesquisa, tanto em grupo como individuais.

A cada ano, as crianças e os jovens criam as regras de convivência que serão seguidas inclusive por educadores e familiares. É fácil prever que problemas de adaptação acontecem. Há professores que vão embora e alunos que estranham tanta liberdade. Nada, no entanto, que faça a equipe desanimar.

O sistema tem se mostrado viável por pelo menos dois motivos: primeiro, porque os educadores estão abertos a mudanças; segundo, porque as famílias dos alunos apóiam e defendem a escola idealizada por Pacheco.

Quando jovem, esse educador de fala mansa não pensava em lecionar. Queria ser engenheiro eletrônico. Mas uma questão o inquietava: por que a escola ainda reproduzia um modelo criado há 200 anos? Na busca por uma resposta, se apaixonou pelo magistério. "Percebi que na engenharia teria menos a descobrir, enquanto na educação ainda estava tudo por fazer." Desse "tudo" de que tem se incumbido o professor Zé, como gosta de ser chamado, é que trata a entrevista a seguir, concedida à NOVA ESCOLA em São Paulo.


A Escola da Ponte é bem diferente das tradicionais. Como ela funciona?
JOSÉ PACHECO Lá não há séries, ciclos, turmas, anos, manuais, testes e aulas. Os alunos se agrupam de acordo com os interesses comuns para desenvolver projetos de pesquisa. Há também os estudos individuais, depois compartilhados com os colegas. Os estudantes podem recorrer a qualquer professor para solicitar suas respostas. Se eles não conseguem responder, os encaminham a um especialista.

Existem salas de aula?
PACHECO Não há salas de aula, e sim lugares onde cada aluno procura pessoas, ferramentas e soluções, testa seus conhecimentos e convive com os outros. São os espaços educativos. Hoje, eles estão designados por área. Na humanística, por exemplo, estuda-se História e Geografia; no pavilhão das ciências fica o material sobre Matemática; e o central abriga a Educação Artística e a Tecnológica.

A arquitetura mudou para acompanhar o sistema de ensino?
PACHECO
Não. Aliás, isso é um problema. Nosso sonho é um prédio com outro conceito de espaço. Temos uma maquete feita por 12 arquitetos, ex-alunos que conhecem bem a proposta da escola. Esse projeto inclui uma área que chamo de centro da descoberta, onde compartilharemos o que sabemos. Há também pequenos nichos hexagonais, destinados aos pequenos grupos e às tarefas individuais. Estão previstas ainda amplas avenidas e alguns cursos d'água, onde se possa mergulhar os pés para conversar, além de um lugar para cochilar. As novas tecnologias da informação devem estar espalhadas por todos os lados para ser democraticamente utilizadas pela comunidade, o que já conseguimos.

Os professores precisam de formação específica para lecionar lá?
PACHECO Não. Eles têm a mesma formação que os de outras instituições. O diferencial é que sentem uma inquietação quanto à educação e admitem existir outras lógicas. Nossa escola é a única no país que pode escolher o corpo docente. Os candidatos aparecem geralmente como visitantes e perguntam o que é preciso para dar aulas lá. Digo apenas para deixarem o nome. No fim de cada ano fazemos contato. Hoje somos 27, cada um com suas especializações.

Como os novos professores se adaptam à proposta da escola?
PACHECO Há profissionais que estiveram sozinhos em sala durante anos e quando chegam constatam que sua formação e experiência servem para nada. De cada dez que entram, um não agüenta. Outros desertam e regressam depois. Mas nós também, por vezes, temos que nos adaptar. Há dois anos recebemos muitas crianças e professores novos, não familiarizados com a nossa proposta. Apenas a quinta parte do corpo docente já estava lá quando isso aconteceu. Passamos a conviver com mestres que sabiam dar aula e estudantes que sabiam fazer cópias. Foi necessário dar dois ou três passos para trás para que depois caminhássemos todos juntos. Precisamos aceitar o que os outros trazem e esperar que eles acreditem em nossas idéias. Essa é a terceira vez que passamos por isso.

Qual o perfil dos alunos atendidos pela Escola da Ponte?
PACHECO Eles têm entre 5 e 17 anos. Cerca de 50 (um quarto do total) chegaram extremamente violentos, com diagnósticos psiquiátricos e psicológicos. As instituições de inserção social que acolhem crianças e jovens órfãos os encaminham para as escolas públicas. Normalmente eles acabam isolados no fundo da classe e, posteriormente, são encaminhados para nós. No primeiro dia, chegam dando pontapés, gritando, insultando, atirando pedras. Algum tempo depois desistem de ser maus, como dizem, e admitem uma das duas hipóteses: ser bom ou ser bom.

Como os estudantes vindos de outras escolas se integram a um sistema tão diferente?
PACHECO Não é fácil. Há crianças e jovens que chegam e não sabem o que é trabalhar em grupo. Não conhecem a liberdade, e sim, a permissividade. Não sabem o que é solidariedade, somente a competitividade. São ótimos, mas ainda não têm a cultura que cultivamos. Quando deparam com a possibilidade de definir as regras de convivência que serão seguidas por todos ou não decidem nada ou o fazem de forma pouco ponderada. Em tempos de crise, como agora, em que muitos estão nessa situação, precisamos ser mais diretivos. Só para citar um exemplo, recebemos um garoto de 15 anos que tinha agredido seu professor e o deixado em estado de coma. Como um jovem assim pode, de imediato, participar da elaboração de um sistema de direitos e deveres?

A escola nem sempre seguiu uma proposta inovadora. Como ocorreu a transformação?
PACHECO Até 1976, a escola era igual a qualquer outra de 1ª a 4ª série. Cada professor ficava em sua sala, isolado com sua turma e seus métodos. Não havia comunicação ou projeto comum. O trabalho escolar era baseado na repetição de lições, na passividade. Naquele ano, havia três educadores e 90 estudantes. Em vez de cada docente adotar uma turma de 30, juntamos todos. Nosso objetivo era promover a autonomia e a solidariedade. Antes disso, porém, chamamos os pais, explicamos o nosso projeto e perguntamos o que pensavam sobre o assunto. Eles nos apoiaram e defendem o modelo até hoje.

Qual é a relação dos pais com a escola?
PACHECO Eles participam conosco de todas as decisões. Se nos rejeitarem, teremos de procurar emprego em outro lugar. Também defendem a escola perante o governo. Neste momento, os pais estão em conflito com o Ministério da Educação. Ao longo desses quase 30 anos, quiseram acabar com nosso projeto. Eu, como funcionário público, sigo um regime disciplinar que me impede de tomar posições que transgridam a lei, mas o ministro não tem poder hierárquico sobre as famílias. Portanto, se o governo discordar de tudo aquilo que fazemos, defronta-se com este obstáculo: os pais. Eles são a garantia de que o projeto vai continuar.

Como sua escola é vista em Portugal?
PACHECO Há uma grande resistência em aceitar o nosso modelo, que é baseado em três grandes valores: a liberdade, a responsabilidade e a solidariedade. Algumas pessoas consideram que todos precisam ser iguais e que ninguém tem direito a pensamento e ação divergentes. Há quem rejeite a proposta por preconceito, mas isso nós compreendemos porque também temos os nossos. A diferença é que nós nunca colocamos em cheque o trabalho dos outros. Consideramos que quem nos ataca faz isso porque não foi nosso aluno e não aprendeu a respeitar o ponto de vista alheio.

Qual é o segredo de sucesso da proposta seguida pela Ponte?
PACHECO
Nós acreditamos que um projeto como o nosso só é viável quando todos reconhecem os objetivos comuns e se conhecem. Isso não significa apenas saber o nome, e sim ter intimidade, como em uma família. É nesse ponto que o projeto se distingue. O viver em uma escola é um sentimento de cumplicidade, de amor fraterno. Todos que nos visitam dizem que ficam impressionados com o olhar das pessoas que ali estão, com o afeto e a palavra terna que trocam entre si. Não sei se estou falando de educação ou da minha escola, mas é isso o que acontece lá.

O modelo da Escola da Ponte pode ser seguido por outras escolas?
PACHECO
Não defendo modelos. A Escola da Ponte fez o que as outras devem e podem fazer, que é produzir sínteses e não se engajar em um único padrão. Não inventamos nada. Estamos em um ponto de redundância teórica. Há muitas correntes e quem quer fazer diferente tem de ter mais interrogações do que certezas. Considero que na educação tudo já está inventado. A Escola da Ponte não é duplicável e não há, felizmente, clonagem de projetos educacionais.

Hoje a escola pode funcionar sem o senhor?
PACHECO Fui e continuo sendo um intermediário. Não tenho mérito por isso, apenas cumpro a minha missão. Vou me afastar dentro de um ano e estou amargamente antecipando essa despedida. Todo pai tem de deixar o filho andar por si próprio e, nesse momento, a Ponte caminha sozinha. Depois quero continuar desassossegando os espíritos em lugares onde há gente generosa, que só precisa de um louco com a noção da prática, como eu. Agora ninguém pode dizer que uma experiência como a da Escola da Ponte não aconteceu, porque ela existe e provamos que é possível.
 
Fonte: Nova Escola

quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

A Cultura do nosso Rio Grande do Norte

Memorial e Museu de Cultura Popular voltam à ativa em abril.

 
Foto: Alex Regis
 

Boas novas de fim de ano para os museus subordinados à Prefeitura de Natal: o Memorial de Natal, no Parque da Cidade, e o Museu de Cultura Popular Djalma Maranhão, Ribeira, estão no cronograma do município para serem devidamente recuperados. A meta é reabrir os espaços para visitação pública até o mês de abril de 2014. A informação foi divulgada após reunião realizada na segunda-feira (23), entre o prefeito Carlos Eduardo e o presidente da Funcarte, Dácio Galvão, quando os gestores definiram agenda de serviços. No cronograma, ficou acertado que a instalação de novos elevadores no Memorial de Natal será feita até fevereiro.

“A equipe da Capitania das Artes apresentou propostas para revitalizar o Memorial e o Museu de Cultura Popular”, disse o prefeito, “e estamos empenhados em viabilizar esses projetos. Inclusive surgiu a necessidade de formalizar novas parcerias para suprir carência de pessoal de suporte capacitado”, disse Carlos Eduardo, adiantando que nos próximos dias será feito contato com a UFRN e o curso de História.

Dácio Galvão revelou que o Memorial de Natal manterá o teor e a conceituação do conteúdo, mas passará por alterações quanto a expografia. “Teremos novos ingredientes expositivos, especialmente na área de multimídia como projeção mapeada. O objetivo é trabalhar para enfatizarmos a interatividade”, explicou o presidente da Fundação Capitania das Artes.

Para o chefe do executivo, “a cidade precisa desses equipamentos para fortalecer sua vida cultural. Também não podemos esquecer que iremos receber visitantes durante a Copa do Mundo e temos de mostrar que Natal é bem mais que sol e mar. Temos cultura para mostrar e muita história para contar; acredito que junto com o Forte dos Reis Magos, esses museus serão os mais frequentados pelos turistas”, aposta Carlos Eduardo.

O Memorial de Natal fica instalado na torre do Parque da Cidade Dom Nivaldo Monte, projeto assinado pelo saudoso arquiteto Oscar Niemeyer. O parque está situado no prolongamento da Prudente de Morais, entre os bairros de Candelária e Cidade Satélite, e chegou a funcionar por quase três meses em 2008.

O espaço foi fechado para visitação pública em janeiro de 2009, e a exposição interativa que aborda a origem da cidade e todo o histórico de ocupação de Natal desde a pré-História acabou sendo desmontada pela gestão anterior.

O destino do material que estava exposto durante o período que o Memorial de Natal funcionou é incerto: sabe-se que há alguns móveis e objetos guardados na sede da Funcarte e no Museu de Cultura Popular Djalma Maranhão, mas ainda não localizaram os equipamentos de multimídia. O vídeo contando os dez mil anos da história de Natal também está desaparecido. As principais peças do acervo foram devolvidas, pois estavam emprestadas sob o modelo de comodato. O município investiu cerca de R$ 22 milhões.

Fonte: Tribuna do Norte


Na Rede Globo

Saga de Érico Veríssimo ganha adaptação para a TV.


Foto: Divulgação

Uma das sagas mais conhecidas da literatura nacional volta em nova adaptação às telas. Estréia nesta quarta-feira, na Rede Globo, a minissérie O Tempo e o Vento, baseada  na obra de Érico Veríssimo. Virá agora com apenas três capítulos, mais compacta que a  clássica versão televisiva de 1985. Com direção de Jayme Monjardim, a nova série é uma transposição editada do filme lançado neste ano – com direito a novos personagens, não vistos no cinema. A série começará logo após a novela Amor à Vida.

A aventura gaúcha conta a história de amor entre Bibiana e Capitão Rodrigo, em meio aos conflitos de duas famílias opostas, os Terra Cambará e os Amaral, que viveram em confronto por mais de 150 anos. As histórias do pampa e das guerras são narradas por Bibiana, a centenária Terra Cambará que relembra a trajetória de sua família, desde sua avó Ana Terra (Cleo Pires) até o final de sua vida. A trama percorre os séculos 18 e 19 do Sul colonial/imperial brasileiro.

Santa Fé é a cidade fictícia onde se passa a história central. Construída no Parque do Gaúcho, em Bagé, Rio Grande do Sul, a cidade cenográfica ocupa 10 mil metros quadrados, conta com 17 edificações, e envolveu mais de 200 trabalhadores durante mais de seis meses. Na obra, Santa Fé foi fundada pelo imponente Ricardo Amaral (José de Abreu), que é quem acolhe Ana Terra. É em Santa Fé que ela reconstrói sua vida ao lado do filho ainda criança, Pedro (Eduardo Correa), após perder a família e suas terras em um ataque dos castelhanos.

Ana Terra  - vivida por Cléo Pires, papel que foi da sua mãe Glória Pires nos anos 80 - não poderia imaginar que seus sucessores se tornariam os principais rivais da família Amaral. O início desse combate se dá com a chegada do charmoso e divertido Capitão Rodrigo Cambará (Thiago Lacerda). Desejada por Bento Amaral e apaixonada por Rodrigo, Bibiana resiste às imposições daquela época e, com a ajuda do irmão, Juvenal Terra, convence a família de seu amor e, apesar de não ter aprovação do pai, se casa com o capitão. A minissérie apresenta mais uma geração da família Terra Cambará: Bolívar Terra Cambará (Igor Rickli), Florêncio Terra (Rafael Cardoso) e Luzia (Mayana Moura). A partir daí o cerco se fecha para os Terra Cambará. Prisões, mortes e mais guerras tomam conta da família, que seria sustentada pelo amor, dedicação e superação de Bibiana. A obra de Veríssimo foi iniciada em 1949 com o livro “O Continente”, seguido de“O Retrato”, em 1951, e “O Arquipélago”, em 1961.

Fonte: Tribuna do Norte



Festa de Santos Reis em Natal - RN

Tradicional Festa de Santos Reis começa amanhã e vai até dia 6: Festa comemora a anunciação da chegada de Jesus feito pelos reis Baltazar, Melchior e Gaspar.

 
Foto: Alex Régis
 
Amanhã começa a tradicional programação dos festejos pelos Santos Reis Magos. Primeiro evento religioso do ano em Natal, a Festa de Reis tem como ponto alto a procissão com as imagens dos co-padroeiros de Natal, marcada para as 16h do dia 6 de janeiro, próxima terça-feira. Para o primeiro dia dos festejos, a programação reserva uma carreata de abertura, com saída na Catedral Metropolitana às 19h, que seguirá até o Santuário de Santos Reis, no bairro homônimo.  No local, uma novena de abertura será celebrada logo depois.
 
A Festa de Reis comemora a anunciação da chegada de Jesus e faz alusão à trajetória dos três Reis Magos – Baltazar, Melchior e Gaspar – que guiados pela Estrela de Belém foram ao encontro do recém-nascido messias.

De acordo com o Padre Ednaldo Virgílio da Cruz, administrador paroquial do Santuário de Reis, este ano, o tema a ser trabalhado durante as festividades é o combate às drogas.

A tradicional procissão costumar atrair entre 10 e 15 mil pessoas. “O auge é a procissão, que começa às 16h, no dia 6. Este ano, a missa de encerramento será presidida pelo nosso arcebispo, Dom Jaime [Vieira Rocha], celebrando os 18 anos de episcopado”, explicou padre Ednaldo.

Segundo ele, a expectativa é de atrair muitos fieis. “Pelo fato de ser uma festa já tradicional, que normalmente chama muitas pessoas, além do fato de que os Santos Reis são co-padroeiros da cidade, acredito que teremos  um público bem significativo. Os comentários tem sido bem positivos”, avaliou.

As novenas começam sempre as 19h30 e, segundo o padre Ednaldo, os contatos com a Polícia Militar foram feitos com antecedência no sentido de garantir a segurança dos fiéis. “As pessoas realmente temem pela questão da falta de segurança, mas nos preparamos para não ter problemas”, garantiu.

Padre Ednaldo ressaltou a importância da presença de todos para a renovação da fé neste ano que se inicia. “Que todos sejam bem-vindos ao Santuário de Santos Reis. Estaremos de portas abertas, por isso venham rezar, agradecer e renovar sua fé”, disse.

Bancos e comércio
Os bancos não têm atendimento ao público hoje por causa do feriado. Praticamente todo o comércio de rua, supermercados e shoppings da cidade também ficarão com as portas fechadas nesta quarta-feira. No caso das feiras livres, a do Carrasco, que é realizada sempre às quartas-feiras, será suspensa hoje e  retomada apenas no dia 8 de janeiro.

Serviço
Procissão com imagens dos Santos Reis Magos
Data: 6 de janeiro
Início: 16h

Saída do Santuário, na Praça Wilson Miranda
Percurso: Rua João Carlos de Souza, Rua Cel. Flamínio, Rua São João de Deus, Rua Areial, Rua Pedro Afonso, Rua Feliciano Dias, Rua Rodrigues Dias, Av. Café Filho e Av. Professor José Melquíades
Chegada: Santuário de Santos Reis

PROGRAMAÇÃO
02/01 – quinta-feira
19h – Carreata de abertura da festa
Saída: Catedral Metropolitana
20h – Abertura do Tríduo e Hasteamento das Bandeiras
Celebrante: Pe. Edilson Nobre (Vigário Geral)
Comunidade de Santos Reis

03/01 – sexta-feira
06h30 – Santa Missa
19h30 – Tríduo com Bênção do Santíssimo Sacramento.
Celebrante: Pe. Fábio Pinheiro (Paróquia de João Câmara)
Comunidade de Nossa Senhora de Fátima – Praia do Meio

04/01 – sábado
06h30 – Santa Missa
19h30 – Tríduo com Benção do Santíssimo Sacramento
Celebrante: Pe. Ednaldo Virgílio da Cruz (Adm. da Sagrada Família)
Comunidade da Sagrada Família - Rocas e Comunidade de São Pedro - Maruim

05/01 – domingo
05h – Caminhada Penitencial para o Forte dos Reis Magos, seguida de Missa.
19h30 min. – Santa Missa
Celebrante: Flávio Herculano (Paróquia da Catedral)
Comunidade de Nossa Senhora da Conceição – Brasília Teimosa

06/01 – segunda – Epifania do Senhor
06h – Alvorada
07h – Santa Missa dos Enfermos
Cel.: Pe. César Luiz L. de Morais (Vigário da Sagrada Família)
09h – Missa dos Peregrinos
Cel.: Pe. João Paulo da Costa (Par. de São José Operário – Jandaíra) 
11h – Batizados
16h – Procissão com as veneráveis imagens dos Santos Reis Magos


Fonte: Tribuna do Norte