Um ladrão rouba um tesouro, mas não furta a inteligência. Uma crise destrói uma herança, mas não uma profissão. Não importa se você não tem dinheiro, você é uma pessoa rica, pois possui o maior de todos os capitais: a sua inteligência. Invista nela. Estude! (Algusto Cury)



quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Um pouco de História

A praia era o habitar das abelhas, mas os pescadores queimaram as suas colmeias, também conhecidas como enxus. E hoje, a vila cresce e se desenvolve com a pesca da lagosta.
 

No começo dos anos 50 do Século XX, havia um trecho de praia do litoral potiguar que era defendida pelos seus habitantes com unhas e dentes. Mas esses seres dominantes não tinham nem unhas nem dentes. Tinham ferrão. Eram as abelhas.


Foto: Internet (Enxu Queimado - RN)
Por conta disso, os pescadores tinham suas casas bem distantes do mar, na vila de Canto de Baixo, que pertencia ao município de São Bento do Norte e era um próspero distrito, vivendo do comércio, da agricultura e da pesca.
As abelhas eram um desafio e não deixavam ninguém em paz, nas imediações da orla mais próxima do distrito. Elas faziam enxus nas pedras e nos coqueiros e eles se multiplicavam cada vez mais.

Até que alguém teve a ideia de queimar os enxus, para diminuir o número das abelhas. Muita gente foi contra por conta do mel que era farto, mas os pescadores venceram, fizeram queimadas constantes e as abelhas se renderam ao homem.

Livre do perigo da ferroada, os pescadores começaram a construir pequenas choupanas, para proteger do sol as suas famílias que acompanhavam as saídas e chegadas do mar, trazendo o sustento.

Com o tempo, eles começaram a abandonar suas casas em Canto de Baixo e transformaram as choupanas em casa, cujas paredes e cobertura eram de palha de coqueiro e o chão de areia bem branquinha.

O local passou a ser conhecido como a praia dos Enxus Queimados, pois durante muito tempo a ação do homem continuou sendo vista. E as abelhas que apareciam, tinham o mesmo destino.

Para simplificar a linguagem, o plural foi transformado em singular, e aí é que começa Enxu Queimado, hoje distrito de Pedra Grande e já com a mesma população da sede do município.

A maior preocupação dos nativos é que o nome de Enxu não seja confundido com o de Exu. O enxu é a colmeia das abelhas e exu é uma entidade do candomblé. O nome já foi registrado como Exu Queimado, por erro do IBGE.

Enxu Queimado é hoje um importante pólo pesqueiro na Esquina do Brasil e a sua colônia de pescadores tem mais de 50 barcos, voltados para a pesca da lagosta e da pesca do peixe em alto mar.

A praia tem uma paisagem ornada por dunas e coqueirais e um mar onde ficam ancorados os barcos a motor. Um detalhe é que toda a vila, apesar de viver do mar, da suas costas para ele. São poucas as casas com vistas para a praia.

E para quem nunca viu, vale o registro, o por do sol acontece no mar, durante boa parte do ano, enquanto o sol nasce atrás das dunas.

E se você quiser visitar Canto de Baixo, a então próspera vila que deu origem a Enxu Queimado. Vai ficar decepcionado. A última família de lá, os Varela, mudou-se e aderiu a Enxu. Hoje Canto de Baixo, com as casas soterradas e abandonadas é um canto de saudades.

Fonte: lucianafontes.blogspot.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário