Um ladrão rouba um tesouro, mas não furta a inteligência. Uma crise destrói uma herança, mas não uma profissão. Não importa se você não tem dinheiro, você é uma pessoa rica, pois possui o maior de todos os capitais: a sua inteligência. Invista nela. Estude! (Algusto Cury)



quarta-feira, 27 de maio de 2015

PROJETO CINE HISTÓRIA: Em exibição para o 7º ano


DATA: 03 DE JUNHO DE 2015 (QUARTA-FEIRA)
HORÁRIO: DAS 13H: 00MIN. ÀS 14H: 20MIN.

PROJETO CINE HISTÓRIA: Em exibição para O 6º ano “A” E “B”


DATA: 02 DE JUNHO DE 2015 (TERÇA-FEIRA)
HORÁRIO: DAS 13H: 00MIN. ÀS 14H: 50MIN.

Como surgiram as festas juninas?

As festas juninas homenageiam três santos católicos: Santo Antônio (no dia 13 de junho), São João Batista (dia 24) e São Pedro (dia 29). No entanto, a origem das comemorações nessa época do ano é anterior à era cristã. No hemisfério norte, várias celebrações pagãs aconteciam durante o solstício de verão. Essa importante data astronômica marca o dia mais longo e a noite mais curta do ano, o que ocorre nos dias 21 ou 22 de junho no hemisfério norte. Diversos povos da Antiguidade, como os celtas e os egípcios, aproveitavam a ocasião para organizar rituais em que pediam fartura nas colheitas. "Na Europa, os cultos à fertilidade em junho foram reproduzidos até por volta do século 10. Como a igreja não conseguia combatê-los decidiu cristianizá-los, instituindo dias de homenagens aos três santos no mesmo mês", diz a antropóloga Lucia Helena Rangel, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

Foto: Internet
O curioso é que os índios que habitavam o Brasil antes da chegada dos portugueses também faziam importantes rituais durante o mês de junho. Apesar de essa época marcar o início do inverno por aqui, eles tinham várias celebrações ligadas à agricultura, com cantos, danças e muita comida. Com a chegada dos jesuítas portugueses, os costumes indígenas e o caráter religioso dos festejos juninos se fundiram. É por isso que as festas tanto celebram santos católicos como oferecem uma variedade de pratos feitos com alimentos típicos dos nativos. Já a valorização da vida caipira nessas comemorações reflete a organização da sociedade brasileira até meados do século 20, quando 70% da população viviam no campo. Hoje, as grandes festas juninas se concentram no Nordeste, com destaque para as cidades de Caruaru (PE) e Campina Grande (PB).

Arraial multicultural
Tradições europeias e indígenas se misturam nessas divertidas comemorações

Dança à francesa
A quadrilha tem origem francesa, nas contradanças de salão do século 17. Em pares, os dançarinos faziam uma sequencia coreografada de movimentos alegres. O estilo chegou ao Brasil no século 19, trazido pelos nobres portugueses, e foi sendo adaptado até fazer sucesso nas festas juninas.

Recado pela fogueira
A fogueira já estava presente nas celebrações juninas feitas por pagãos e indígenas, mas também ganhou uma explicação cristã: Santa Isabel (mãe de São João Batista) disse à Virgem Maria (mãe de Jesus) que quando São João nascesse acenderia uma fogueira para avisá-la. Maria viu as chamas de longe e foi visitar a criança recém-nascida.

Sons regionais
As músicas juninas variam de uma região para outra. No Nordeste, as composições do sanfoneiro pernambucano Luiz Gonzaga são as mais famosas. Já no Sudeste, compositores como João de Barro e Adalberto Ribeiro ("Capelinha de Melão") e Lamartine Babo ("Isto é lá com Santo Antônio") fazem sucesso em volta da fogueira.

Abençoadas simpatias
Os três santos homenageados em junho - Santo Antônio, São João Batista e São Pedro - inspiram não só novenas e rezas, como também várias simpatias. Acredita-se, por exemplo, que os balões levam pedidos para São João. Mas Santo Antônio é o mais requisitado, por seu "poder" de casar moças solteiras.

Comilança nativa
A comida típica das festas é quase toda à base de grãos e raízes que nossos índios cultivavam, como milho, amendoim, batata-doce e mandioca. A colonização portuguesa adicionou novos ingredientes e hoje o cardápio ideal tem milho verde, bolo de fubá, pé-de-moleque, quentão, pipoca e outras gostosuras.

Fonte: mundoestranho.abril.com.br


segunda-feira, 18 de maio de 2015

domingo, 17 de maio de 2015

PROJETO CINE HISTÓRIA: Em exibição para O 8º ano

XICA DA SILVA
                                   

DATA: 26 DE MAIO DE 2015 (TERÇA-FEIRA)
HORÁRIO: DAS 13H: 00MIN. ÀS 15H: 40MIN.


PROJETO CINE HISTÓRIA: Em exibição para O 7º ano


MAOMÉ O MENSAGEIRO DE ALAH
                                            

DATA: 20 DE MAIO DE 2015 (QUARTA-FEIRA)
HORÁRIO: DAS 13H: 00MIN. ÀS 16H: 00MIN.


PROJETO CINE HISTÓRIA: Em exibição para O 6º ano “A” E “B”


A ORIGEM DO HOMEM

DATA: 19 DE MAIO DE 2015 (TERÇA-FEIRA)
HORÁRIO: DAS 13H: 00MIN. ÀS 14H: 00MIN.



Projeto Cinema na Escola (Cine História)

APRESENTAÇÃO
De todos os seres viventes no nosso planeta o “homem” é o único capaz de produzir “arte”. Assim, desde os primórdios a arte faz parte de nossa vida, sempre nos diferenciando dos demais seres à nossa volta, pois por meio dela representamos o nosso mundo, expressamos nossos sentimentos e procuramos uma compreensão para aquilo que somos e fazemos.

O Cinema, conhecido como a Sétima Arte, é uma nova maneira de expressarmos nossas idéias, sensações, opiniões; é um novo jeito de nos conectarmos com outras pessoas e com o mundo ao nosso redor.
Assim, através do “Projeto Cinema na Escola” a disciplina de História possibilitará aos nossos 110 estudantes do Fundamental II o acesso à cinematografia, visando à formação sociocultural e política no âmbito Escolar.
Esse Projeto propõe ampliar o espaço de lazer e enriquecimento cultural da Escola, juntamente com educandos, incentivando a formação crítica e apreciativa.

JUSTIFICATIVA
O aprendizado na Escola não pode se restringir unicamente ao cumprimento de horários, tarefas e exercícios, pois deve ir muito além do simples formalismo presente no repasse de conteúdos e trabalhos. Para que o desenvolvimento da aprendizagem seja plenamente alcançado, faz-se necessário sair da rotina escolar. Envolver os alunos nessas novas rotinas de atividades é essencial para uma melhor inclusão destes no cotidiano escolar.

OBJETIVO GERAL
  • Inserir a arte do Cinema no processo de ensino-aprendizagem por meio de uma visão de contexto histórico, envolvendo o educando neste processo.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

  • Oportunizar aos educandos o acesso ao conhecimento da linguagem audiovisual;
  • Apresentar o Cinema ao público-alvo como sendo uma fonte de cultura e agente transmissor de conhecimento;
  • Promover a integração e o desenvolvimento social, além de oferecer momentos de lazer aos alunos.

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS
O professor titular da disciplina de História da escola será responsável pelo projeto, tendo duração indeterminada, sendo renovado anualmente com respectivas adequações e melhorias.
O Projeto “Cinema na Escola” será dividido em duas etapas, sendo elas: (1º) o agendamento com os alunos (2º) a exibição do filme.
Na primeira fase o professor conversará com os alunos em sala, falando da importância de todos participarem do projeto e serão enviados aos pais /responsáveis avisos sobre a criação deste projeto escolar.
Na segunda fase será o evento propriamente dito. Será exibido um filme a ser escolhido previamente pelo professor que seja adequado a todas as idades. E durante o filme será distribuído pipoca e refrigerante a todos os presentes.

RECURSOS
- Data-show;                                 
- Computador;
- TV;
- DVD;
- Cadeiras;
- Copos descartáveis;
- Saquinhos para pipoca;
- Milho para pipoca;
Refrigerante.

CRONOGRAMA DAS AÇÕES:
- Professor conversará com os alunos em sala sobre o evento.
- Exibição do filme nas terças e quartas das 13h:00min às 16h:00min as cinco turmas do Fundamental II, porém, cada turma (6ºA e 6ºB, 7º, 8º E 9º ano) a cada quinze dias um encontro (por causa do tempo de duração de cada filme, não dando tempo trabalhar com todas as turmas em apenas dois dias da semana.).
- Passeio ao cinema (uma turma por vez, os pais também poderão ir). – podendo ser opcional.

AVALIAÇÃO
Os alunos serão observados durante todo o “Projeto Cinema na Escola”, através da análise do interesse e participação.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFIAS
Site: recantodasletras.uol.com.br/artigos/1557772 - Acessado em 11/05/2015
Site: jovinoseabra.blogspot.com/- acessado em 11/05/2015.
Site: cmei-espacodosaber.blogspot.com.br – acessado em 11/05/2015


domingo, 10 de maio de 2015

Primeira aula de campo do ano letivo de 2015

Neste final de semana (09 de Abril), um grupo de alunos do CEIMAR teve a oportunidade de fazer uma visita ao Farol de Touros, a Praia do Marco do descobrimento e a Praia de Enxú Queimado - RN. A viagem contou com minha pessoa (professor de História), o professor De Educação Física Jordanio Bruno que por meio de atividade interdisciplinar com a disciplina de História pôde-se realizar um trabalho diferenciado durante todo o percurso dos alunos.

Agradecemos ao apoio da Marinha do Brasil que proporcionou a todos nós a oportunidade de visita e subida no que se refere a parte interna do Farol de Touros. 

Nosso maior agradecimento vai para o Sargento Marcial de Oliveira Paula que nos recepcionou de maneira muito educada e respondeu todos os nossos questionamentos no que se refere ao contexto histórico e geográfico do Farol de Touros. Muito obrigado a todos de verdade.

Farol de Touros
Foto: arquivo pessoal 

Alunos do CEIMAR
Foto: arquivo pessoal

Alunos do CEIMAR
Foto: Arquivo pessoal

Alunos do CEIMAR
Foto: Arquivo pessoal

Meu aluno Francisco
Foto: Arquivo pessoal

Informações
Foto: Aquivo pessoal 

Farol de Touros
Foto: Aquivo pessoal

Sargento Marcial e alunos
Foto: Arquivo pessoal

No interior do Farol
Foto: Arquivo pessoal

Conhecendo os Faróis do RN
Foto: Arquivo pessoal  

Alunos na torre do Farol de Touros
Foto: Arquivo pessoal

Alunos na torre do farol de Touros
Foto: Arquivo pessoal

Subindo os 298 degraus do Farol
Foto: Arquivo pessoal

Na torre do Farol
Foto: Arquivo pessoal

Uma foto coletiva com os sargentos da Marinha do Brasil
Foto: Arquivo pessoal

Como é alto esse Farol gente!
Foto: Arquivo pessoal

Cidade de Touros do alto do Farol
Foto: Arquivo pessoal
Treino funcional
Foto: Arquivo pessoal
Treino funcional 
Foto: Arquivo pessoal
Treino funcional 
Foto: Arquivo pessoal
Treino funcional 
Foto: Arquivo pessoal
Praia de Enxú Queimado - RN
Foto: Arquivo pessoal

Cidade de Touros do alto do Farol
Foto: Arquivo pessoal

Marco 00 da BR 101 - RN
Foto: Arquivo pessoal
Uma rápida parada
Foto: Arquivo pessoal
Uma rápida parada
Foto: Arquivo pessoal
Uma rápida parada
Foto: Arquivo pessoal
Coqueirais
Foto: Arquivo pessoal
Entrada de São Miguel do Gostoso
Foto: Arquivo pessoal

Praia do Marco
Foto: Arquivo pessoal
Praia do Marco
Foto: Arquivo pessoal


Até a próxima aula!