Um ladrão rouba um tesouro, mas não furta a inteligência. Uma crise destrói uma herança, mas não uma profissão. Não importa se você não tem dinheiro, você é uma pessoa rica, pois possui o maior de todos os capitais: a sua inteligência. Invista nela. Estude! (Algusto Cury)



terça-feira, 14 de julho de 2015

O domínio holandês na Capitania do Rio Grande

Após tomarem a Fortaleza dos Reis Magos, os holandeses passaram a chamá-la de Castelo Ceulen, passando a ser comandada pelo capitão holandês Joris Gardtzman que, anos depois, casou com a filha de João Lostão Navarro, figura importante na capitania. Natal passou a se chamar Nova Amsterdã e o Nordeste do Brasil de Nova Holanda.
Forte dos Reis Magos - RN / Foto: Internet
Os portugueses, de dominadores passaram a dominados, de perseguidores, a perseguidos. O “caçador’’ virou “caça’’, pois os holandeses aliados aos índios Janduís iniciaram a perseguição aos colonos portugueses e aos índios potiguares, seus aliados. 

Os holandeses eram protestantes calvinistas e os portugueses católicos, vários missionários católicos foram mortos pelos holandeses durante anos que dominaram a Capitania do Rio Grande: André de Soveral, Antônio Francisco e Ambrósio Francisco Ferro. 

Quanto aos índios, os holandeses garantiram-lhe o direito à liberdade, não os escravizou como fizeram os portugueses, mas manipulo-os para que eles realizassem seus objetivos de conquista.

Os holandeses fizeram ameaças com esta: “Saibam os habitantes deste país que tomamos à viva força o forte e que abastecemos de todo o necessário, a fim de manter nossa conquista; e saibam mais: todos aqueles que desejarem ficar pacificamente morando nas suas casas devem declará-lo no prazo de três dias; do contrário se usará contra eles o rigor, tratando-os como nossos inimigos, incendiando as suas habitações e destruindo seus bens’’. (LIRA, 1982)


Fonte: Rio Grande do Norte: História, Cultura e Identidade - Marlúcia Galvão Brandão. Curitiba: Base Editora, 2008

Nenhum comentário:

Postar um comentário