Um ladrão rouba um tesouro, mas não furta a inteligência. Uma crise destrói uma herança, mas não uma profissão. Não importa se você não tem dinheiro, você é uma pessoa rica, pois possui o maior de todos os capitais: a sua inteligência. Invista nela. Estude! (Algusto Cury)



quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Os indígenas que habitavam o Rio Grande do Norte

Os povos indígenas que habitaram o território que hoje constitui o Estado do RN dividiam-se entre os Potiguara, que habitavam o litoral, e os Tarairiu, habitantes do Sertão.

Os Potiguara pertenciam ao tronco Tupi e distribuiam-se entre os atuais Estados da Paraiba, RN e Ceará. O POVO TARAIRIU. Os Tarairiu habitavam a zona semiárida do que hoje é o Nordeste. Esses Tapuia, como alguns outros indígenas do Brasil, costumavam depilar todo o corpo e o rosto.Todos, inclusive as crianças.

Costumavam pintar o corpo utilizando-se de tinta preta, extraída do jenipapo, e vermelha, do urucum. Andavam nus, porém com os genitais cobertos: as mulheres usavam uma espécie de avental, confeccionado com folhas, preso à cintura, e os homens usavam um cendal(véu), também vegetal. Os homens perfuravam bochechas, lábios, orelhas e nariz, por onde transpassavam ossos, pedras coloridas ou madeira. Também utilizavam penas de aves diversas, que prendiam nos cabelos e no corpo, colocando-as com cera de abelha ou atando-as com fios de algodão para fazer cordões, pulseiras e tornezeleiras. Usavam também sandálias feitas de fibras vegetais.
Foto: Internet

O clima quente e seco do sertão impunha aos Tarairiu uma vida seminômade. De acordo com as estações do ano, os tarairiu mudavam seu acampamento para lugares que melhor lhes garantissem a sobrevivência, por tanto não tinham aldeias fixas, num unico lugar, mas construíam acampamentos regulares, dentro de uma área delimitada(...) por causa dos seminomadismo, seus acampamentos eram rústicos, compostos por abrigos feitos de pau e folhas, geralmente á beira d´água.

Dormiam em redes, ou mesmo no chão quando viajando, tendo sempre uma folgueira perto(...) as mulheres e crianças eram incumbidas de transportar os utensílios, cestárias, bagagens e armas, também deveriam, no novo acampamento, procurar paus e folhagens para a confecção do novo abrigo. Eram também elas que se incumbiam da alimentação e bebidas, e dos cuidados das crianças, auxiliadas pelas anciãs.

Aos homens cabiam a caça, a pesca e a procura de mel silvestre; eram exímios caçadores(...) e construíam armadilhas para peixes e animais silvestres; caçavam principalmente pequenos animais, já que grandes não havia no sertão. Sua alimentação básica era, pois, a caça assada em fornos subterrâneos, a pesca, o mel, frutos, raízes, ervas e animais silvestres, como lagartos e cobras.

Após as chuvas e os rios estarem cheios, os tarairiu voltavam para as várzeas a fim de plantarem mandioca, milho, legumes e alguns frutos e raízes (...) Os Tarairiu eram guerreiros temidos pelos outros indígenas, por sua força, velocidade, destreza na guerra, onde adotavam a tática da surpresa, isto é, da guerrilha.

O primeiro contato com o homem branco se deu entre os tupi-Potiguara, que habitavam o litoral leste, visto que foi aí que aportaram as primeiras embarcações vindas do outro lado do Oceano Atlântico.

Fonte: LOPES, Fátima Martins. Missões religiosas: Índios, colonos e missionários na colonização da capitania do RN. (extraído do blog: sertaoaqui.blogspot.com.br)

Nenhum comentário:

Postar um comentário